skip to Main Content
​ ​  ​​ ​ ​ ​  ​​ ​ ​ ​  ​​ ​ ​ ​ ​ ​

Em detalhe, como funciona a aplicação do COVID-19!!!

https://utilizador.pt/covid-19/

Portugal já disponibilizou uma aplicação que tenta dizer-nos se estivemos em contacto com alguma outra pessoa infectada com o Covid-19.
Esta aplicação foi criada pelo INESC, em parceria com o Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), seguindo os termos definidos pela Direção-Geral da Saúde.

O funcionamento desta aplicação tem gerado algumas dúvidas, e preocupações de privacidade naturais.

Comecemos pela instalação:

– Aceda ao site oficial da aplicação, usando o seu telemóvel:
https://stayawaycovid.pt

– Deslize o conteúdo da página para baixo e aceda à “loja” da aplicação (que, obviamente, é gratuita) quer para o Android quer para o iPhone.

– Após instalada a aplicação, deslize para a direita os vários ecrãs de informação. Clique de seguida sobre a caixa de verificação dos termos de consentimento.

– Será perguntado se deseja activar as notificações. Estas são o coração da aplicação, active-as…

– A aplicação está agora pronta para comunicar com outros dispositivos próximos, que também tenham a aplicação instalada. Caso se verifique um contacto próximo com algum utilizador infectado, receberá o alerta vermelho no ecrã da aplicação.

E, como funciona tudo isto?

Conforme vemos ao instalar a aplicação, esta utiliza o “Sistema de Notificações de Exposição” do Google (dispositivos Android) ou da Apple (dispositivos iOS).

De acordo com a explicação dada, por exemplo na página do Google (a seguir indicada):

    1 – Ao ser instalada a aplicação, cada utilizador vai ser identificado com um ID’s aleatórias (ao acaso).

    2 – Para evitar que terceiros possam monitorizar o utilizador com este “ID”, o mesmo é alterado em períodos curtos, p.e. a cada 20 minutos.

    3 – A aplicação requer a activação da comunicação Bluetooth, de baixo consumo. Usando esta comunicação de proximidade, o nosso smartphone vai comunicar com todos os outros smartphones de pessoas com quem nos cruzemos, efectuando a troca de ID’s.

    4 – Quando um utilizador tem a infelicidade de testar positivo, recebe da DGS um código que deve ser inserido na aplicação: Mesmo não sendo o seu caso, clique sobre “Diagnóstico” e verá o campo para inserir esse código. Assim que o fizer, os servidores da aplicação vão verificar os “ID’s” de todos os outros utilizadores com quem se cruzou nos últimos 14 dias, para que a aplicação de cada um notifique de que esteve próximo de alguém infectado e tomar as devidas precauções (contactar o centro de saúde).

    5 – Tudo isto deverá ocorrer de uma forma totalmente automatica e sem que os servidores da aplicação possam identificar ou “seguir” nenhum utilizador: apenas identificam as aplicações.

Para conhecer tudo isto com mais detalhe, consulte por exemplo as seguintes páginas de suporte do Google, sobre o Sistema de Notificações de Exposição à COVID-19 nos telemóveis Android:
https://support.google.com/googleplay/answer/9888358?hl=pt
https://support.google.com/android/answer/9930236?hl=pt

Então, passo a ser constantemente monitorizado?

Este mecanismo de notificações à Exposição Covid-19 afirma que NÃO detecta nenhuma localização, apenas o ID de cada aplicação e, como este é aleatório e alterado várias vezes por hora, em teoria não é possível monitorizar nenhum utilizador em particular, apenas a existência de uma aplicação que terá identificação diferente aleatoriamente.
Mas, existem vozes preocupadas, como a DECO (organização de defesa do consumidor) que expõe na seguinte página alguns receios:
https://www.deco.proteste.pt/tecnologia/telemoveis/noticias/stayaway-covid-nao-recolhe-dados-mas-suscita-reservas

E, qual a vossa opinião?

Como disse um leitor em comentário a esta notícia (quando foi publicada em primeira mão no nosso site), quem não planeia assaltar um banco ou cometer outro género de crime não deve ter receio. Mal não fará, agora se funcionará e terá êxito ou não… isso não sabemos.
E até temos reservas, pois se não for usada por todos não funciona, e se quem fica infectado não inserir essa informação na aplicação também não funciona. São muitos “ses” mas… reforçamos, mal não fará a instalação da aplicação.

This Post Has 5 Comments
  1. Como é possível a aplicação detetar alguém com covid se essa ou essas pessoas ao serem diagnosticadas têm obrigatóriamente que ficar em casa pelo menos 14 dias e só podem sair depois da dar negativo. Enquanto forem positivas não podem andar na rua. Então como é que a aplicação deteta um positivo se enquanto for ativo tem que estar em confinamento. Por favor expliquem porque não entendo.

  2. A aplicação não detecta uma pessoa infectada na rua. Apenas se comunica com outros telemoveis, de quem tenha a aplicação instalada, e memoriza que esteve em contacto com tais pessoas (embora anonimamente… dizem).
    Depois, se uma pessoa for diagnosticada com a infecção, naturalmente que nao sai de casa mas recebe um codigo que deve (se assim o desejar) inserir na sua própria aplicação.
    Os servidores detectam essa informação e emitem, a todas as aplicações de pessoas com quem se cruzou nos ultimos 14 dias, um alerta.
    Está de facto tudo explicado neste artigo aqui publicado.
    Cumps
    Rui Lopes

  3. …pois…a questão principal… é se quem recebe o código o insere… senão temos milhões com a aplicação que não detecta ….NADA…para lá daqueles que nem instalam a aplicação…cheira-me que muitos instalam para serem avisados…mas não têm intenção nenhuma de avisar…

  4. Dou razão ao Fernando, o português está muito mal informado e não acredito que quem tiver o vírus o va declarar isto é tudo mais uma vez marketing de que o António Costa deve beneficiar como a maior parte dos corruptos senão não fazia tanta publicidade nas redes sociais, para bom entendedor….

  5. Essa é que é a verdade, anda por aí muito boa gente a encher-se à custa do povinho.

    Esta aplicação é uma mera “capa” para o serviço de rastreio do Android ou do iOS.
    Nada faz para além disso, apenas se apresenta em português e com alguma informação.

    Leva o utilizador ao engano de pensar que é uma solução portuguesa e nada sai daqui, mas o rastreio não é feito nos servidores da aplicação, mas sim nos servidores do Google e da Apple.

    Aliás, espero que não nos tenha saído muito cara pois até eu faria uma igual em dois dias. Mas, o povinho costuma pagar milhões por erros (ou amizades?) de quem nos governa (ou se governa a si próprio).

    Cumps,
    Luis C Neto

    P.S. – Não sei se já foi revelado o custo da produção da aplicação. Se foi e alguém souber, diga, pois estou curioso 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back To Top